Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

5G BRASILEIRO COMEÇA A NASCER NO CEARÁ

15/07/2014

A Universidade Federal do Ceará e a Ericsson trabalham no desenvolvimento da tecnologia 5G no Brasil. A parceria volta-se para o estudo de novas faixas de espectro - chamadas ondas milimétricas - sistemas com alta densidade de antenas, comunicação entre dispositivos e redes heterogêneas. Mais de 40 profissionais entre pesquisadores, alunos e funcionários atuam em três frentes num laboratório em Fortaleza: pesquisa, patentes e padronização.

ReproduçãoSegundo o diretor de Inovação da Ericsson, Edvaldo Santos, o diferencial da próxima geração da internet móvel - prevista para 2020 - será ampliar a qualidade dos serviços oferecidos. Atualmente, explica ele, é necessário dividir o tráfego entre envio e recebimento de dados. No futuro, a expectativa é que seja possível realizar as duas atividades simultaneamente.

Com velocidade mais rápida, latência mais baixa e melhor desempenho em áreas de alta densidade populacional, o 5G deverá representar uma evolução da experiência do usuário, além de permitir novas aplicações com impacto para os consumidores – a partir de recursos como controle de segurança de tráfego e internet tátil – e empresas, com sensores e redes capilares, por exemplo. 

O estágio de pesquisa e desenvolvimento da tecnologia no Ceará ainda é embrionário, portanto, é difícil prever com exatidão o ganho na velocidade de conexão.
Em teste recentemente realizado na Suécia, a Ericsson diz ter alcançado a taxa de 5 Gbps, isto é, 250 vezes superior aos padrões atuais do 4G/LTE.

Santos explica que os estudos realizados em solo brasileiro são complementares ao que está sendo desenvolvido no exterior. Coreia do Sul e Reino Unido são alguns dos países que já investem pesado para tomar a dianteira da nova geração da internet móvel. E, segundo o especialista, existe um esforço comum pela padronização de termos referentes à tecnologia.

Uma das principais mudanças em curso deverá estar relacionada às antenas. “As antenas grandes de 3G e 4G não serão mais utilizadas. É provável que existam antenas menores e mais próximas, como acontece com postes de luz. Assim vai ser viável entregar a velocidade e qualidade que o usuário demanda”, conta o executivo.  Para ele, o principal desafio será conectar a nova tecnologia àquelas já utilizadas.   
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Fonte: Olhar Digital

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar