Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

GOLPE: O APLICATIVO PAGO MAIS BAIXADO DO GOOGLE PLAY NÃO FAZIA NADA

09/04/2014

Se você pagou e baixou o “antivírus” Virus Shield na Google Play na semana passada, lamentamos informar que você foi enganado: o aplicativo pago não protegia seu dispositivo nem identificava vírus algum. Tudo não passou de um golpe que demorou uma semana para ser descoberto.

Virus Shield foi lançado inicialmente na versão australiana da loja virtual no dia 28 de Março, mas logo sua popularidade foi crescendo até se tornar o aplicativo pago mais baixado da semana. Ele chegou a ter mais de 1o mil downloads e análises positivas de quatro e até cinco estrelas, de mais de 1ooo usuários diferentes. Mas, na verdade, ele não fazia nada.

Para ser completamente honesto, ele era atrativo: uma interface simples prometia a segurança de um antivírus com um único toque na tela. Bastava apertar o escudo exibido na tela e ele mudava de imagem: de um grande X vermelho que significava “perigo” para um tique vermelho que deveria significar “protegido”. Mas trocar a imagem era tudo o que aplicativo fazia.

´Virus

Virus Shield “em ação”

O golpe foi identificado pelo site Android Police, que analisou o código Java do Virus Shield e descobriu que ele só trocava mesmo a imagem na tela e depois ficava quieto. Depois da denúncia, o Google removeu tanto o aplicativo quanto a desenvolvedora de sua loja virtual, mas o estrago já estava feito. Pela política do Google Play, um usuário só pode pedir reembolso até quinze minutos após a instalação. Após esse prazo, só reclamando com o criador do aplicativo.

Virus Shield 02

Apesar de possuir um sistema de verificação de malware, a loja virtual do Google não conseguiu classificar o Virus Shield como um aplicativo maligno. Pelo simples fato de que ele não fazia mal algum aos aparelhos. Apenas aos bolsos de quem acreditou na promessa de um antivírus prático e rápido.
 
 
 
Fonte: Codigo Fonte

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar