Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

TESTE: PACOTE DE ROAMING INTERNACIONAL É BOM PARA QUEM NÃO ´DESGRUDA´ DO 3G

11/03/2014

Usar a internet móvel no smartphone durante uma viagem ao exterior pode causar calafrios, suadeira e estresse caso o dono do aparelho não contrate um pacote de roaming internacional. Brincadeiras à parte, o problema são as tarifas para uso do 3G no exterior, bem mais altas do que as cobradas em solo nacional. Durante viagem a trabalho para Barcelona, testei o serviço e fiz a conta: esse pacote vale a pena quando não dá, mesmo, para desgrudar da internet. 

Os viajantes conseguem usar o roaming internacional habilitando o serviço de antemão no Brasil. De praxe, a atendente da operadora informará sobre a existência de pacotes pós-pagos e dos valores cobrados para quem usa pré-pago.

Sem um pacote pós, o meu gasto em uma semana apenas com o 3G, sem contar voz e SMS, teria sido de R$ 6.930. Já se usasse a tarifa ´´reduzida´´ que a operadora oferece para quem tem pré-pago, a conta seria de R$ 1.131. Mas, com um plano pós-pago que cobra R$ 29,90 por dia de uso da internet, a cobrança cairia para R$ 209,30.

Ainda não é um valor, digamos, barato. Mas com os quase US$ 7.000 hipoteticamente economizados (o chip foi emprestado pela Vivo para o teste), daria para pagar outra viagem à Europa.

Para quem viaja a trabalho e precisa de conexão a qualquer momento, é uma opção a ser considerada. Para quem está relaxando como turista, o preço fechado por dia vale menos a pena, podendo ser substituído pelo Wi-Fi gratuito na maioria das vezes.

Pesquise o serviço antes de viajar
Já presenciei no saguão de embarque no aeroporto – mais de uma vez – diálogos desesperados ao celular de viajantes com as atendentes de suas operadoras. "Você jura para mim, de pé junto, que eu não vou pagar uma conta absurda se eu usar meu 3G no exterior?" De última hora, eles contratavam os planos de roaming internacional, mas ainda temiam cobranças estratosféricas na volta.

A preocupação não é à toa, tendo em vista que o valor de cada megabyte trafegado pode chegar a R$ 30 caso a pessoa não contrate, previamente, serviços com "preço fechado" para uso da internet móvel no exterior. Sem sair do Brasil prevenido, um usuário que navegar por dez minutos no Facebook, por exemplo, terá um gasto de cerca de R$ 360 (o preço, no entanto, varia de acordo com o país visitado).
 

O dado acima – financeiramente apavorante – já seria suficiente para convencer o viajante a contratar o serviço de roaming internacional com preço fixo por dia de uso. No Brasil, Claro, Oi, TIM e Vivo oferecem a opção para clientes de planos pós-pagos.

Mas a questão principal tem de ir além do medo da conta estratosférica: você realmente vai precisar da internet 3G no seu destino? Isso porque é cada vez mais comum dispormos de redes Wi-Fi gratuitas – no hotel, no restaurante, nas lojas, no ponto turístico visitado etc. No meu caso, a cidade de Barcelona tinha a conexão grátis na maioria desses locais.

Daria para dispensar o uso do 3G... teoricamente.  Porém, é preciso levar em consideração a lentidão do Wi-Fi quando há muitos usuários conectados, além da falta de segurança dessas redes, que podem ter os dados trafegados interceptados (facilmente) por gente mal-intencionada.

Portanto, enquanto trabalhava na cidade, a escolha na maioria das vezes foi pela internet 3G, porque precisava tanto da agilidade (para conversar no WhatsApp com os colegas de redação no Brasil) como da segurança (para enviar e-mails, fotos, vídeos).

Tabela de consumo de dados móveis**

  • Arte UOL

Mas o 3G funciona lá fora?
Para quem é brasileiro e vive sofrendo com o sinal do 3G, é compreensível duvidar do desempenho do serviço também no exterior. Testei durante uma semana, todos os dias, um chip emprestado pela Vivo, que na rede de Barcelona se conectou à operadora Movistar. O sinal e a velocidade do 3G foram satisfatórios na maior parte do tempo, exceto em duas ocasiões.

A primeira foi durante o evento de lançamento do Galaxy S5, da Samsung. O 3G funcionou apenas para tarefas mais leves (como usar o WhatsApp), mas demorou para enviar fotos e não conseguiu publicar um vídeo no Instagram. A hipótese mais provável é que a grande quantidade de usuários no local tenha prejudicado a conexão à rede.
 

Na segunda falha, no bairro de Barceloneta, o chip saiu da rede da Movistar e entrou na da operadora Orange. O 3G, então, "morreu": não consegui nem mesmo fazer um check-in no Foursquare. Questionada sobre a mudança de operadora de rede, a Vivo não respondeu por que isso ocorreu até a publicação desta reportagem.

Mesmo com os dois engasgos, a tranquilidade que tive ao saber que poderia contar com a conexão 3G quando precisasse foi o ponto alto da experiência – não sinto o mesmo em relação à rede móvel no Brasil, independente da operadora usada.

Além disso, percebi um gasto menor com a bateria do meu iPhone 5 mesmo deixando o celular o tempo todo com o 3G ligado - algo que também faço no Brasil. Uma hipótese para isso é que a rede da Movistar tinha sinal quase sempre total nos locais onde estive (quanto menos procura sinal da rede, menos o celular gasta a bateria).

Compensa para quem é pós e usa muito o 3G
No final da viagem, usei 231 MB durante uma semana de uso "moderado" do roaming internacional (não fiquei, por exemplo, assistindo a vídeos ou ouvindo músicas em streaming, usos que em geral gastam mais megabytes).

  • Reprodução

    iPhone mostra quantidade de dados trafegados durante o roaming internacional

Como já mencionado, essa conta poderia chegar a R$ 6.930 caso eu não tivesse usado um plano de preço fixo - o cálculo baseia-se no maior valor atualmente cobrado pelo megabyte trafegado (R$ 30).

Se usasse um plano pré-pago, que não dispõe de pacote diário, minha conta também teria sido exorbitante: R$ 1.131. Isso porque, mesmo com a tarifa reduzida para esses clientes (R$ 4,90 por megabyte em vez de R$ 30 do roaming internacional comum), essa cobrança por megabyte não compensa para quem vai usar bastante a internet. 

Porém, se tivesse usado o 3G como cliente de plano pós-pago, em que são cobrados R$ 29,90 por dia de uso da internet, a conta seria mais modesta (porém ainda cara): R$ 209,30. Para quem viaja a trabalho, o gasto se justifica. Mas para aqueles de férias (já gastando com compras e visitas turísticas), talvez fosse o caso de não usar o serviço todos os dias da viagem e recorrer mais vezes ao Wi-Fi gratuito.

Um ponto negativo é que as operadoras estabelecem um limite para o tráfego de dados desses pacotes pós. Atingido o consumo máximo de dados no dia, o cliente pode ter a velocidade reduzida ou terá de pagar avulso pelo megabyte trafegado. 

Quem vai ficar um longo período viajando também pode considerar a compra de um chip ´´gringo´´ pré-pago. Ele pode ser adquirido na loja das operadoras do país e a cobrança pela internet será feita com tarifas locais, que podem ser mais econômicas.

Roaming internacional: planos de internet pós-pagos
 
Américas
Europa
Ásia
África
Oceania
Claro
R$ 29,90/dia
R$ 29,90/dia
R$ 79,90/dia
R$ 79,90/dia
R$ 79,90/dia
Oi***
R$ 39,90/20MB
R$ 59,90/20MB
R$ 149,90/20MB
R$ 149,90/20MB
R$ 149,90/20MB
TIM
R$ 29,90/dia
R$ 29,90/dia
R$ 69,90/dia
R$ 39,90/dia
R$ 69,90/dia
Vivo
R$ 29,90/dia
R$ 29,90/dia
R$ 59,90/dia
R$59,90/dia
R$59,90/dia

 
 
Fonte: Uol

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar