Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

PEC DO DIREITO DE ACESSO À INTERNET TERÁ NEUTRALIDADE DE REDE NO TEXTO

18/02/2014

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC 479/10) que torna o acesso à internet em alta velocidade (banda larga) direito fundamental do cidadão, terá a garantia da neutralidade da rede como parte de seu texto. Ou seja, as operadoras não poderiam discriminar dados por conteúdo, emissor ou destinatário.

A previsão é que o relatório do deputado Amauri Teixeira (PT-BA) seja votado nesta terça-feira (18) na comissão especial sobre o tema. A reunião será realizada às 15h30, no Plenário 16. A neutralidade de rede é um dos pontos que têm dificultado a votação, pelo Plenário, do marco civil da internet.

O deputado reconhece que a chamada neutralidade da rede é um dos pontos que dificultam a votação em Plenário do projeto do marco civil da internet (PL 2126/11, do Executivo).

Teixeira considera, no entanto, que a inclusão desse item na PEC do acesso à internet aos cidadãos não deve causar a mesma resistência ao texto. “O grande problema do marco civil é a pressão das operadoras de telefonia sobre determinados parlamentares”, diz. “Como a PEC é uma norma que não teria aplicação imediata, acredita que não terá a mesma resistência enfrentada pelo marco civil”, completa.

Melhoria no serviço

O relator explica que, uma vez garantido na Constituição, o direito à internet em alta velocidade deverá aumentar a pressão para a ampliação da cobertura, a melhoria do serviço e a redução dos preços cobrados pela conexão.

Na avaliação do deputado, a mudança constitucional abriria espaço, inclusive, para a diminuição da carga tributária incidente sobre o setor. “A Constituição diz que, quanto mais essencial o produto ou o serviço, menor a tributação. A redução dos impostos barateia a banda larga e possibilita um maior acesso.”

Em seu relatório, Amauri Teixeira destaca que os tributos representam hoje 1/3 do valor pago pelos usuários da internet de banda larga.

Trajeto

A votação da PEC 479/10 está entre as recomendações da subcomissão que estudou, no âmbito da Comissão de Ciência e Tecnologia, as ações do Programa Nacional de Banda Larga (PNBL). Se aprovado na comissão especial, o texto ainda dependerá da aprovação, em dois turnos, pelo Plenário da Câmara antes de seguir para o Senado.
 
 
 
 
Fonte: Ne10

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar