Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

8 SUGESTÕES DE GAMES PARA RIR ENQUANTO JOGA

31/12/2013

Se tem algo que ajuda um game a ganhar minha simpatia é o senso de humor. Jogos com uma boa dose de ironia, cenas e personagens insólitos ou momentos que rivalizam com uma boa comédia são muito bons em fazer uma coisa muito importante nos jogos, e que as vezes nos esquecemos que é sua função principal: nos divertir.

1) Portal 2 (Windows, Mac, Xbox 360 e PS3)

Um dos melhores games (e na minha opinião, O melhor jogo já feito) tem um adicional muito interessante a suas outras qualidades, como gameplay desafiante e ótimo puzzles: o humor. A campanha é recheada de momentos divertidíssimos, mérito dos dois extremos: a depressiva e serial killer GLaDOS e o estabanado e ingênuo Wheatley. É difícil não ter ao menos um momento  engraçado em cada fase, seja as bizarrices do enredo ou mensagens gravadas do antigo dono da Aperture Science.

Minha parte favorita: Toda vez que Cave Johnson fala algo.


2) Magicka (Windows)


Magicka é um game que tem qualidades que podem passar despercebidas, se você não prestar atenção. Uma delas é o seu interessante mecanismo de combate, que tem uma curva considerável de aprendizado para se entender todas as interações entre os elementos. Outra são os diálogos e situações sem nexo da história, como Vlad, que se apresenta dizendo que não é um vampiro. E é um vampiro. Antes que reclamem deste spoiler, vou dar um conselho: se você não percebeu isto na primeira vez que viu o personagem, não vai perceber nada neste jogo, de qualquer forma.

Minha parte favorita: O fato de terem dublado um jogo inteiro, mas sem dizer uma palavra inteligível. Exceto banana, esta eu entendi quando disseram. Caso isto não seja engraçado o bastante para você, chame mais amigos e fiquem se explodindo na campanha cooperativa. Nada é mais divertido que fogo amigo.


3) Franquia Broken Sword (Windows, Mac, Linux, PS, PS 2, Xbox, Wii, DS, Game Boy Advance, Palm OS, Windows Mobile, iOS, Android e Vita)


Os point-and-click, especialmente os da Lucas Arts, são games que quase sempre incluem o humor (como o já sugerido pelo João GAN Full Throttle). Uma das franquias que me divertiu muito neste gênero (esta não é da Lucas Arts) foi Broken Sword, nos games 1, 2 e o 5, que estou jogando agora. Mesmo os antigos, feitos com desenhos à mão valem ser revisitados, e este game é suportado em tantas plataformas que até seu smartphone Windows Mobile pode servir para jogar. Não tem como não reparar uma ironia: tem pra PalmOS, mas não tem para Windows Phone.

Minha parte favorita: Em Broken Sword 2, George Stobbart é amarrado em uma cadeira, preso em uma sala em chamas junto com uma aranha venenosa. Além da incrível redundância de métodos duvidosamente eficientes para matar alguém desta parte, o protagonista decide filosofar sobre a vida, enquanto vê o perigo: "Só há três coisas que odeio em aranhas. A aparência, a forma de andar e o fato de viverem no mesmo planeta que eu".


4) Stanley Parable (Windows e Mac)


Um dos games mais badalados de 2013, e um dos símbolos da corrente "anti-FPSzação de ação" dos games, Stanley Parable se junta a outros games como "Gone Home" e "Papers, Please" no grupo de jogos "monótonos, sem enredo definido e quase sem sentido". Ou seja: não tem como não ser divertido. A falta de uma linha lógica e as estripulias do jogo vão agradar, com certeza, os fãs de sketches do Monty Phyton.

Minha parte favorita: Por hora só joguei a demo e vi trechos do gameplay, e já amo este jogo. Qualquer coisa que aquele narrador falar, para mim, passa a ser engraçada. Duvida? Vê aqui (é preciso entender inglês). 


5) Guacamelee! (PS3, Vita, Windows, Ps4 e Xbox One)


Nada como um bom beat ´em up cooperativo para se divertir de forma descompromissada com um amigo. Mas Guacamelee! também tem suas gozações: todo o jogo é extremamente caricato com a cultura mexicana, desde osmariachis até os luchadores mascarados. Até no nome a zueira está presente, que forçando a barra na tradução viraria um "guacaporrada", em referência à comida guacamole. Se olhar com cuidado, vai ver até referências a memes de internet, pelos cenários.

Minha parte favorita: A parte em que o protagonista não ganha nenhum poder novo, mas ainda assim roda a vinheta de novas habilidades, com os dizeres "Poder nenhum". Ou a galinha batedora de carteiras.


6) Castle Crashers (Windows, Xbox 360 e PS3)


Se pancadaria para apenas duas pessoas não é o bastante, Castle Crashers sobe a quantidade de jogadores para quatro. O jogo tem um estilo cartunesco e muito do típico "humor de banheiro" que faz bastante sucesso, especialmente com os americanos (aquelas piadas de mal-gosto com coisas que você comumente faz em seu banheiro). Sem querer bancar o pedante, e inventar escala de qualidade para coisas subjetivas, eu julgo este o jogo com o humor "mais baixo" da nossa lista. Serve para quem quer um game que manda "tudo se ferrar" e quer rir com os amigos com um jogo simples e "zueiro".

Minha parte favorita: Jogar com 4 amigos um jogo onde não leva a sério as histórias de cavaleiros, ou mesmo o fato de ser um jogo.

7) Série The Secret Monkey Island (Várias plataformas velhas, iOS, Mac, Windows, PS3 e Xbox 360)


Lembra que mencionei games do tipo point-and-click da (finada) Lucas Arts? Tem um que merece uma menção nesta lista: The Secret of Monkey Island conta as desventuras de Guybrush Threepwood, um jovem aspirante a pirata que não é levado a sério por ninguém. Como em muitos games de point-and-click, o humor surge dos personagens nonsense que você encontra ao longa da jornada do protagonista, e as situações que surgem pelo caminho.

Minha parte favorita: Alguém erra o nome do Guybrush Threepwood. E isto acontece todo momento (eu tive que googlar o nome dele, inclusive). Ou melhor, este diálogo.


8) The Cave (PS3, Xbox 360, Wii U, Windows, Mac, Linux, iOS, Ouya e Android)
Análise aqui

 

Este é um game que se "segura" praticamente todo no humor do narrador e a história contada. Praticamente todo o enredo é construído sobre viradas inesperadas e finais improváveis. Tirando isto, é só um jogo de puzzles mediano.

Minha parte favorita: A princesa que estava cansada dos cavaleiros que tentavam a resgatar, e que tudo que realmente queria era ser uma engenheira eletricista.


 
Fonte: Adrenaline 

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar