Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

FBI PODE LIGAR CÂMERA DO COMPUTADOR SEM USUÁRIO PERCEBER, DIZ EX-DIRETOR

10/12/2013

Em entrevista ao jornal americano "Washington Post", Marcus Thomas, antigo diretor-assistente do FBI (polícia federal dos EUA), disse que a agência pode ligar a câmera do computador de uma pessoa sem que ela perceba. Ele disse ainda que o órgão tem utilizado essa técnica de espionagem há alguns anos. 

A afirmação do ex-diretor foi feita durante o detalhamento de uma investigação de um homem supostamente iraniano conhecido como "Mo". Ele fez uma série de ameaças a bombas a universidades e aeroportos americanos, mas a instituição não conseguiu achá-lo.

A maioria das câmeras de computador conta com uma luz que informa quando o acessório está ativo. No entanto, o FBI diz conseguir gravar sem que esse indicador seja aceso. De acordo com Thomas, a técnica já foi usada em casos de terrorismo e investigações criminais.

O método usado do pela polícia americana é parecido com o de hackers. O ataque acaba sendo feito por meio da exploração de alguma falha no computador. A mais comum é via ataque de phishing: quando se envia para a vítima um e-mail com um link malicioso. Ao clicar nele, a pessoa é infectada e conectada com um computador da agência.

Segundo fontes do jornal americano, o artifício é usado com moderação e também acaba sendo uma forma de burlar a burocracia em conseguir um mandado judicial. A pena por espionagem virtual, caso a vítima descubra, é menor que em outras situações. Se a polícia invadir uma casa para fazer uma batida, o dono pode entrar com uma ação contra a instituição. Em contraposição, o mesmo direito à privacidade não é colocado em prática quando a invasão de privacidade é virtual.

De acordo com a reportagem do "Washington Post", a ferramenta mais poderosa do FBI consegue baixar arquivos, imagens, e-mails, ativar câmera e filmar, sem que o dono do dispositivo perceba.
 
 
 
Fonte: Uol

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar