Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

CONHEÇA AS DIFERENÇAS ENTRE OS PRINCIPAIS PROCESSADORES DE CELULARES

06/12/2013

 

Normalmente, quando uma empresa anuncia um novo dispositivo móvel, ela resume um pouco as informações sobre o processador. Por exemplo: o Galaxy Note 3 usa um chip Snapdragon 800, mas o que isso significa de fato? O que é um "Snapdragon 800"?

Quando estes nomes como "Snapdragon 800", "Tegra 4", "Exynos 5 Octa" e até mesmo o "A7" da Apple são citados, a informação vai muito além do processador. Estes nomes correspondem a "systems on a chip", também conhecidos pela sigla SoC, que integram todos os componentes necessários para um computador em apenas um chip, e isso inclui não apenas a CPU, mas também GPU.

Conheça um pouco mais sobre os principais chips do mercado e algumas de suas principais características:


Qualcomm Snapdragon 600
O chip era o topo de linha da Qualcomm no início do ano e foi usado em celulares como o Galaxy S4, que era o mais potente do mercado no momento em que foi lançado. Usando o conjunto de instruções ARMv7, o SoC inclui um processador Krait 300 de até quatro núcleos e uma GPU Adreno 320 a 400 MHz. Ele também utiliza a arquitetura de 32 bits e pode alcançar um clock de até 1,9 GHz.

Ainda é um excelente chip, mas não faz mais frente aos outros lançados por outras empresas e até mesmo pela Qualcomm, que já lançou o Snapdragon 800, muito mais potente.

Aparelhos que usam: HTC One, LG Optimus G Pro, Samsung Galaxy S4, Nexus 7 (2013).

Qualcomm Snapdragon 800
Sucessor do Snapdragon 600, melhorou o chip em termos de processamento, mas foi realmente em âmbitos gráficos que houve grandes melhorias. O SoC agora tem um processador Krait 400, que não é muito diferente do 300, mas conta com um cache L2 mais rápido e maiores clocks, que chegam até 2,3 GHz.

A GPU, no entanto, mostrou uma grande evolução com a chegada do modelo Adreno 330, que funciona a 450 MHz e é capaz de gerar resolução 4K, embora nenhum dispositivo ainda use esta tecnologia. Alguns testes apontam que ele chega a cerca de 33% do desempenho do chip integrado Intel HD 4000 dos processadores Core i5.

A tendência é que o chip se torne extremamente comum nos aparelhos de alto desempenho. Ele já está sendo aplicado nos celulares mais novos e deve se tornar padrão.

Aparelhos que usam: LG Nexus 5, Samsung Galaxy Note 3, Sony Xperia Z1 e Z Ultra, Lumia 1520

Apple A7
A nova geração de chips Apple trouxeram a novidade da arquitetura de 64 bits, que embora ainda não seja indispensável, será em um futuro próximo, quando a tecnologia móvel evoluir um pouco mais. O recurso permite que processador e mória RAM conversem mais rápido, mas depende de aplicativos otimizados para arquitetura para poder aproveitar isso em sua totalidade.

Olhando apenas números, o A7 fica atrás dos concorrentes, mas em desempenho real a diferença não é notável. O chip, que utiliza o conjunto de instruções ARMv8-A e é otimizado para o sistema operacional da Apple, o que possibilita a utilização do máximo de desempenho de seus dois núcleos de processamento, com o clock que pode ser de até 1,4 GHz.

Um diferencial é o coprocessador M7, presente nos novos aparelhos Apple, que aliviam o trabalho do processador com os sensores de movimento, como o acelerômetro, para tentar reduzir o consumo de bateria.

Aparelhos que usam: iPhone 5s, iPad Air e iPad mini com Tela Retina

Nvidia Tegra 4
Não é muito popular entre celulares, mas alguns tablets e outros dispositivos já o utilizam e ele se mostra bem potente. O chip usa o conjunto de instruções ARMv7 com processador de quatro núcleos Cortex A-15 que alcança até 1,9 GHz.

Um diferencial é que ele possui um núcleo extra, de baixo consumo, invisível ao sistema operacional, que executa algumas tarefas secundárias para dar um “descanso” aos núcleos principais.

Ele também funciona com a arquitetura de 32 bits. Sua GPU funciona a 672 MHz e é uma das mais poderosas do mercado, estando quase no mesmo nível do Snapdragon 800, mesmo tendo sido lançado no início do ano.

Aparelhos que usam: Surface 2, Tegra Note 7, Nvidia Shield

Samsung Exynos 5 Octa
A Samsung normalmente disponibiliza modelos variados de seus aparelhos, com chips diferentes. O S4 tinha uma versão octa-core, assim como o Galaxy Note 3 também tem, embora não tenha chegado ao Brasil. Nestes casos, ela usa sua tecnologia proprietária, com o chip Exynos 5 Octa.

Ele, na verdade, possui dois conjuntos de quatro núcleos: um dos grupos é ARM Cortex A-15, funcionando a até 1,9 GHz, enquanto o outro grupo são ARM Cortex A-7, de até 1,3 GHz.

São chips diferentes usados no Note 3 e no S4, na verdade. O utilizado no Galaxy S4 chegava a ser mais potente do que o Snapdragon 600, mas tinha superaquecimento e consumo excessivo de bateria. Já no caso do Note 3, ele é um pouco inferior à versão com Snapdragon 800, mas não apresenta os mesmos problemas. O que eles têm em comum, no entanto é que nenhum deles possui suporte à conectividade 4G.

Aparelhos que usam: Samsung Galaxy S4 e Galaxy Note 3


 
 
 
Fonte: Olhar Digital

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar