Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

APP DO YOUTUBE PARA WINDOWS PHONE VOLTA AO NAVEGADOR E IRRITA USUÁRIOS

10/10/2013

Se você puder, ignore a nova versão 3.2 do aplicativo do YouTube para Windows Phone. Isso porque a nova atualização retorna aos velhos (e péssimos) tempos de upgrades baseados em navegadores. A nova versão do aplicativo simplesmente reproduz vídeos usando a versão móvel do site - isso quando ele funciona.

Até o momento, as opiniões sobre a nova versão do app estão cheias de relatos dizendo que o aplicativo simplesmente não funciona.

"Bem, esta é uma grande decepção", escreveu Manish. "A nova interface parece boa, mas o aplicativo nunca funciona. Talvez a Microsoft ****** o Google, e eles bloquearam o app. Querida Microsoft, resolvam as coisas. Não queremos ter um aplicativo em nosso telefone que não funciona."

Toda a Internet achou que a briga entre a Microsoft e o Google tinha acabado em agosto, quando o aplicativo "oficial"  do YouTube retornou à loja virtual do Windows Phone.

O Google e Microsoft tinham concordado em trabalhar com as suas diferenças, permitindo que os anúncios voltassem à plataforma, entre outras melhorias. Mas dois dias depois, a gigante das buscas bloqueou o acesso da Microsoft ao YouTube. Agora, como observou o WPCentral, o "app" é simplesmente monótona, é a implementação mais básica do YouTube no Windows Phone.

"O Google é o culpado por este aplicativo não funcionar", acrescentou "Kevin". "A MS fez um aplicativo do Youtube fabuloso, mas o Google não quer que nada deles funcione no Windows Phone. Hey Google...não sejam maus."

Um dos aspectos mais estranhos do Windows e do Windows Phone é que, por causa de incompatibilidades, relutância de desenvolvedores, questões de licenciamento, ou alguma outra razão, as chamadas "imitações" de apps às vezes são as melhores formas de acesso aos serviços que os aplicativos dedicados. 

O PrimeTube e outros aplicativos similares valem o rápido download para testes. Quem sabe quando, ou se, a Microsoft e o Google resolverão suas diferenças. Por enquanto, é o consumidor quem sofre.
 
 
 
Fonte: IdgNow

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar