Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

AMD FX 9590

02/10/2013

Recebemos para análise o processador que muitos esperam ser a nova "arma" da AMD na briga com a Intel pelo segmento de alto desempenho, o AMD FX 9590. Com frequência de operação padrão em 4.7GHz, trata-se da primeira CPU do mercado a alcançar 5.0 Ghz sem a "interferência" do usuário, graças ao "TurboCore" - dispensando assim overclock.


Nos Estados Unidos, ele foi lançado com o exorbitante preço de U$799, muito embora, em poucas semanas, tenha caído para U$699. Ainda assim, trata-se de um valor considerado caro quando comparado com alguns modelos topo de linha da 4ª geração Core i7, como é o caso do 4770K, que custa no exterior U$350 - metade do preço da nova CPU da AMD. No Brasil, no dia da publicação da análise, ele ainda não era encontrado a venda.

O FX 9590 continua sendo um processador baseado na geração "Vishera", com núcleos x86 Piledriver, mas com pequenas mudanças visando alcançar 4.7GHz. O multiplicador foi definido em 23.5 x 200 para chegar ao clock padrão, sendo que em modo turbo, o multiplicador sobre para 25x200, atingindo assim a impressionante marca dos 5.0GHz.

Com o lançamento dos processadores FX-9000 - mais especificamente o modelo FX-9590 - os engenheiros da AMD parecem ter atingindo o limite da atual tecnologia, atingindo clocks até então nunca imaginados para uma CPU sem overclock. Para tanto, o processador trabalha em condições bastante severas, com vCore 1.464V, e uma dissipação térmica máxima de 220W! Nestas condições, é mais do que importante o uso de um excelente sistema de refrigeração - incluindo ainda um gabinete robusto, com sistema auxiliar de dissipação térmica. 

Abaixo há uma tabela comparativa entre as versões dos processadores da linha FX, incluindo 9370, lançado simultaneamente com o FX 9590.

Reparem que o TDP do FX 9590 quase dobrou comparado ao FX 8350, até então processador topo de linha da AMD para o mercado desktop. Isso foi necessário para possibilitar alcançar os clocks de 4.7GHz e 5.0GHz na mesma arquitetura. Para se utilizar um processador FX 9xxx em uma mainboard AM3+, basta atualização de BIOS, desde, é claro, que a fabricante da placa-mãe disponibilize a "bendita" atualização - coisa que muito dificilmente acontecerá para todos os modelos de placas.


 Para mais detalhes sobre os núcleos Piledriver (arquitetura Vishera), basta acessar o artigo "Por ´dentro´ dos núcleos Piledriver da AMD".

Abaixo há algumas fotos do FX 9590 que recebemos diretamente da AMD. Vale destacar que diferentemente dos demais processadores da série, o FX 9590 não acompanha cooler, sendo, portanto, imprescindível o uso de um robusto sistema de refrigeração. Fuja da tentação de utilizar um cooler box de outro modelo da série.

5GHz? Quase nunca!
Abaixo há algumas telas da BIOS da mainboard ASUS Crosshair V Formula-Z, que mostra opções relativas ao sistema e processador. Forçando o "AMD Turbo Core" em modo ativo (enable), é possível ver que o clock sobe para 5.0GHz, mas com um porém: em raríssimas situações, o processador trabalha em tal frequência.

A AMD fez todo o marketing em cima da elevada frequência de operação de 5.0GHz, mas que na verdade, trabalha na grande maioria dos casos um pouco abaixo disso (clock nominal de 4.7GHz). Na realidade trata-se de um marketing comum nos tempos atuais, como é o caso, por exemplo, do Intel Core i7 4960X, que não trabalha efetivamente em 4GHz (frequência em modo Turbo, utilizado apenas quando o processador é mais exigido), mas sim em 3.6GHz.

No caso do FX 9590 ainda há um agravante, visto que os 5GHz são ativados em situações bem raras. Um bom exemplo disso é que em nenhum dos testes que fizemos, seja em aplicativo ou games, o processador alcançou tal patamar, e quando isso acontece, é bom destacar ainda que não são todos seus núcleos que trabalham em 5GHz, mas sim apenas um, como acontece com diversos processadores quando tem a função turbo acionada.

Overclock
Outro detalhe bastante importante sobre o FX 9590 está sobre seu comportamento em overclock, bastante limitado, devido, sobretudo, ao limite técnico de arquitetura, aliado ao desatualizado processo de fabricação em 32nm. As condições precisam ser bastante positivas para turbinar o processador, sendo necessário elevar a voltagem em níveis bastante perigosos.

Outro grande problema está sobre as mainboards e suas BIOS. Utilizamos dois dos melhores modelos do mercado: ASUS Crosshair V Formula-Z e MSI 990FX-GD80. Em ambos os casos, no dia dos testes havia apenas uma versão de BIOS compatível com o processador, impossibilitando sequer colocar o processador full time em 5.0GHz de forma estável, mesmo com voltagem perto de 1.6V. Foi necessário colocar ainda um cooler melhor (Cooler Master TPC 812) para evitar problemas, mas não foi a temperatura que comprometeu a estabilidade, visto que esta ficou em 70º.

Pode ser que futuras atualizações de BIOS ajudem a melhorar a estabilidade em overclock, mas não parece ser possível fazer milagres, então não é recomendado criar expectativas.

Vale destacar ainda que overclocks extremos com nitrogênio líquido ou alterações físicas em alguns dos hardwares podem trazer mais resultado, mas se pode trazer melhoras para o FX 9590, traz para vários outros processadores. 

 
 
Fonte: Adrenaline

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar