Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

XPERIA Z ULTRA, HÍBRIDO DA SONY, SUPERA CONCORRÊNCIA, MAS CUSTARÁ MAIS DE R$ 2 MIL

02/09/2013

O Xperia Z Ultra é mais uma iniciativa da Sony para tentar pegar um pedaço de nichos dominados pela Samsung no mercado de smartphones --no último ano, a empresa japonesa expandiu seu portfólio de três para seis modelos.

O "phablet" (híbrido de tablet e telefone) Z Ultra é o sétimo, e mais dois devem ser lançados até o fim de 2013.

À prova d´água, o Xperia Z Ultra tem duas grandes placas planas de vidro temperado (na frente e atrás), com as laterais feitas em metal. O resultado é um acabamento elegante, mas um celular que, também por suas dimensões, fica escorregadio.

O tamanho, como em outros híbridos, torna a experiência de fazer ligações desconfortável e potencialmente embaraçosa.

O maior destaque é sua tela Full HD de 6,4 polegadas, mas o resto do hardware também é potente: vem com processador Snapdragon 800, topo de linha da Qualcomm, e 2 Gbytes de RAM.

Nos testes da Folha, a navegação se mostrou ágil, e o celular executou com tranquilidade jogos pesados e vídeos em alta resolução.

Sua câmera, por outro lado, deixa a desejar. Além de tirar fotos pouco definidas e com ruído (mesmo quando a iluminação não é ruim), o app criado pela Sony é desnecessariamente complicado.

Como a maioria das fabricantes, a empresa opta por modificar o Android "puro" para integrar o smartphone a outros produtos da marca e se diferenciar da concorrência -mas, como outras, erra nas alterações.

Além do app de foto, um exemplo malsucedido é a confusa interface para exibir os aplicativos instalados, que oferece cinco modos diferentes de organizá-los e dificulta sua desinstalação.

O celular ainda é cheio de aplicativos embarcados que não podem ser removidos, boa parte dispensáveis e alguns completamente inúteis, como o "Campo Sony", na verdade um atalho para uma campanha publicitária.

De resto, o Xperia Z Ultra traz recursos interessantes, como TV digital e a possibilidade de usar qualquer caneta de ponta metálica ou lápis para escrever e desenhar na tela do celular.

O "phablet" tem desempenho e acabamento superiores ao de concorrentes, como o Asus Fonepad e o Galaxy Note 2, mas cobra por isso.

Com lançamento previsto para outubro e sem preço exato definido no Brasil, o aparelho ficará, segundo a Sony, acima dos R$ 2.000.
 
 
 
Fonte: Folha

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar