Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

ACUSADO DE VAZAR DOCUMENTOS PARA WIKILEAKS ESCAPA DE PEGAR PRISÃO PERPÉTUA

31/07/2013

Uma juiza do exército dos EUA absolveu o soldado de primeira classe Bradley Manning da acusação de ajudar inimigos do país, mas considerou-o culpado de acusações menores relacionadas ao vazamento de documentos secretos ao WikiLeaks.

A coronel Denise Lind considerou Manning culpado de acusações relacionadas à espionagem, fraude informática e abuso, e desobediência a uma ordem legal. Essas acusações levam à pena de mais de 100 anos de prisão. A sentença está prevista para começar na quarta-feira (31) em Fort Meade.

Lind leu as acusações em sucessão rápida durante o veredicto dado na segunda-feira (29) à tarde. a juiza considerou Manning, de 25 anos de idade, culpado por 20 das 22 acusações que enfrentou, incluindo 10 que ele anteriormente havia se declarado culpado. Ele evitou a sentença de prisão perpétua quando foi inocentado da acusação de ajudar o inimigo.

Os advogados de Manning argumentaram que os documentos militares que o réu compartilhou foram registros históricos que não colocavam em risco. E as informações do Departamento de Estado dos EUA que ele compartilhou estavam amplamente disponíveis para milhares de usuários da Internet Network Router Protocol Secure (SIPRNet) - um computador de rede usado pelo Departamento de Defesa dos EUA e pelo Departamento de Estado, disse Coombs.

Manning foi acusado de compartilhar com o WikiLeaks mais de 700 mil relatórios de batalha do Iraque e do Afeganistão e telegramas do Departamento de Estado. 

O site, fundado por Julian Assange, publicou documentos que detalham as queixas sobre abusos de detentos no Iraque e um ataque aéreo a Bagdá que matou civis, bem como uma série de telegramas diplomáticos enviados por funcionários do Departamento de Estado.

Manning, um especialista de inteligência do exército dos EUA, foi preso em meados de 2010, depois que ele supostamente transferiu milhares de documentos ao Wikileaks no final de 2009 e início de 2010. Seu julgamento começou no início de junho.

Os promotores de justiça argumentaram que o réu sabia que a informação que ele liberou ajudaria inimigos dos EUA. O soldado colocou em perigo a segurança nacional do país quando ele "coletou sistematicamente" milhares de documentos classificados e permitiu que fossem vazados na Internet, disse o promotor Capitão Joe Morrow, em seus argumentos de abertura.
 
 
Fonte: IdgNow

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar