Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

COM TWITTER E FACEBOOK, INTERNET PREENCHE VAZIO DA TV EM CRISE NO EGITO

10/07/2013

A Internet ajudou o Egito, quando o exército depôs o presidente do país na quarta-feira (3), com assessores do ex-presidente e da oposição usando o Twitter e o Facebook para se comunicar com seus seguidores no Egito e no restante do mundo.

"O Egito permanece online. Até agora, nenhuma repetição de 2011", disse a empresa de monitoramento de Internet Renesys, em uma mensagem no Twitter na quarta-feira. A companhia disse que continua a monitorar.

Em janeiro de 2011, o governo do ex-presidente Hosni Mubarak ordenou que prestadores de serviços encerrassem todas as conexões internacionais para a Internet, na sequência da agitação generalizada no país.

Desta vez, os egípcios de ambos os lados utilizaram os serviços de mídia social - com hashtags como #WeAreWithMorsi (Estamos com o Morsi, em tradução livre) e #EgyptRevolutionNotMilitaryCoup (Revolução no Egito e não Golpe Militar, em tradução livre), já que muitos canais de televisão e fontes de notícias foram cortadas pelo exército, de acordo com relatórios.

Reconhecendo que o serviço seria importante durante a ação do exército na quarta-feira, o Twitter decidiu testar um serviço de tradução do árabe para o Inglês para tuites de contas mais seguidas no país.

A conta na rede social da presidência do Egito parece continuar gerenciada pelo presidente que não esta mais no poder. Mohamed Morsi ou por seus assessores, que ainda postavam mensagens. "Pres. Morsi pede a civis e membros militares para cumprir a lei e a Constituição e não aceitar golpe que fará o Egito retroceder", disse em uma única mensagem, enquanto um tuite posterior pediu a todos para "aderir a tranquilidade e evitar derramamento de sangue dos companheiros conterrâneos."

Um assessor de Morsi usou a página do "Gabinete do Assistente de Relações Exteriores do Presidente do Egito", para transmitir às pessoas que o que aconteceu no país foi em sua opinião, um golpe militar. 

"Enquanto escrevo estas linhas estou plenamente ciente de que podem ser os últimos versos que posto nesta página", disse. "Para o bem do Egito e para a exatidão histórica, vamos chamar o que está acontecendo pelo seu verdadeiro nome: golpe militar", acrescentou.

Longe de meios de comunicação estatais, como a televisão, e com muitos canais de televisão de apoio do partido Irmandade Muçulmana do Morsi desligados, os partidários do ex-presidente parecem ter tomado as redes sociais para transmitir sua mensagem.

Mas outros no Egito também estavam ativos em redes sociais. "É um golpe popular contra o presidente antidemocraticamente eleito, que estava aliado a terroristas como o Hamas!", tuitou Amr Bakly, do Cairo. 
 
 
 
Fonte: IdgNow

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar