Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

FALHA NO APLICATIVO VIBER PERMITE BURLAR SENHA DE SMARTPHONES ANDROID

26/04/2013

Uma falha crítica no aplicativo Viber, programa de troca de mensagens pela internet e de voz sobre IP, permite burlar o sistema de senha de usuários Android que têm o software instalado em seus smartphones. Com uma combinação de comandos, é possível ter acesso total ao aparelho sem precisar quebrar a senha do dono do telefone. As informações sobre o problema de segurança foram postadas no blog da empresa de antivírus Bkav nesta quinta-feira (25) e confirmadas pela desenvolvedora do Viber.

O problema ocorre durante a troca de mensagens entre usuários Viber. Ao receber uma mensagem pelo programa com o celular bloqueado, o usuário que tentar responder não conseguirá – o sistema pedirá para desbloquear a tela. No entanto, ao receber outra mensagem e tocando no botão Voltar (back) do smartphone, o programa, automaticamente, burla a senha e dá acesso total ao dispositivo. 

De acordo com o Viber, eles têm uma base de mais de 140 milhões de usuários em todo o mundo. Só no Google Play, loja de aplicativos do sistema Android, há a indicação de que o programa já foi baixado 100 milhões de vezes.

Segundo o blog da empresa de antivírus, smartphones de marcas como Samsung, HTC e Sony e que tenham o programa instalado estão vulneráveis a esta falha.

A desenvolvedora do Viber admitiu o problema ao site de tecnologia "Ars Technica" e informou que eles tomaram conhecimento da falha nesta quarta-feira (24). Na manhã desta quinta, a empresa afirmou pelo Twitter que divulgou uma atualização para corrigir o problema. 

"Quem estiver preocupado com este problema pode desativar as notificações pop-up nas versões Android do Viber. Para fazer isso, é necessário ir ao menu Configurações (Settings) do aplicativo e desativar a opção Nova mensagem Pop-Up (New Message Pop-Up)", informou a desenvolvedora em comunicado.
 
 
 
Fonte: Uol

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar