Página Inicial



twitter

Facebook

  Notícia
|

 

CHIPS ATOM PARA SERVIDORES TERÃO GANHO DE DESEMPENHO COM A FAMÍLIA AVOTON

09/04/2013

Depois de anos de melhorias incrementais, os processadores Atom farão um grande salto em desempenho e eficiência energética graças a uma nova geração de chips que já está sendo disponibilizada para testes pelos fabricantes de servidores.

Os processadores Atom são principalmente projetados para smartphones e tablets, mas também foram reaproveitados em servidores de baixo consumo. A nova variante destes chips, de codinome Avoton, é a primeira produzida usando o processo de manufatura em 22 nm da Intel, que é considerado o mais avançado na indústria.

Os chips estarão comercialmente disponíveis na segunda metade deste ano e são baseados na nova microarquitetura Silvermont, que é o primeiro grande redesenho arquitetural entre os Atom desde que a família foi lançada em 2008.

Processadores Atom baseados na arquitetura Silvermont e projetados para uso em smartphones e tablets também serão lançados. O modelo para tablets chegará às lojas a tempo para a temporada de compras ao final deste ano, como um chip de codinome Bay Trail, enquanto uma versão para smartphones chamada Merrifield poderá aparecer a partir do ano que vem.

A nova microarquitetura irá melhorar significativamente os processadores Atom em comparação aos modelos baseados no design atual, disse Nathan Brookwood, analista principal da Insight 64. O Silvermont é uma nova abordagem, focada em desempenho e eficiência energética, disse ele. A Intel diz que chips baseados na Silvermont darão aos dispositivos móveis maior autonomia de bateria e melhor desempenho.

Já os processadores da família Avoton vão aumentar o desempenho, medido em Performance por Watt, em microservidores, disse Brookwood. Os microservidores são uma categoria emergente de servidores de alta densidade promovida por empresas como a Dell e Hewlett-Packard em que o desempenho pode ser aumentado rapidamente enquanto o consumo de energia é mantido baixo.

Em parte os Avoton terão benefícios no consumo de energia e desempenho em virtude de serem produzidos usando um processo de 22 nanômetros. Chips feitos com esta tecnologia usam um design “tridimensional” para os transistores, empilhando componentes normalmente colocados lado a lado, o que permite que os fabricantes coloquem mais componentes em um espaço menor. A proximidade encurta os caminhos elétricos entre os transistores, o que reduz a perda de energia e aumenta o desempenho, com sinais que chegam mais rapidamente ao seu destino.

Os chips Avoton irão substituir uma geração chamada Centerton, que foi lançada em dezembro e é produzida usando um processo de 32 nanômetros. Os Centerton não tiveram muita adoção, mas serão usados dentro de um novo servidor de alta densidade da HP - desenvolvido como parte de um projeto conhecido como Project Moonshot. A HP provavelmente irá migrar seu servidor para os processadores Avoton assim que eles estiverem comercialmente disponíveis.

Há um crescente interesse em servidores de baixo consumo, à medida em que as empresas procuram formas de reduzir suas contas de energia enquanto processam de forma eficiente grandes volumes de informações na internet e pedidos de acesso a páginas web. A Intel oferece seus processadores Atom como alternativas de baixo consumo para a família Xeon, que é usada na maioria dos servidores atuais mas tem consumo de energia muito maior. A Intel também acelerou o desenvolvimento de processadores Atom para servidores para combater o crescente interesse em processadores ARM, que são usados na maioria dos smartphones e tablet, e estão lentamente chegando aos servidores.

Os processadores Avoton terão um conjunto de recursos específicos para servidores incluindo o suporte a arquiteturas de 64-Bit, virtualização e controladores Ethernet integrados. Empresas como a HP e Dell já oferecem a alguns de seus clientes servidores ARM para testes, mas há reconhecidas limitações nesta arquittura, incluindo o pouco suporte a software e o endereçamento limitado a 32 Bits, o que limita o máximo de memória que pode ser usado em servidores. Processadores ARM para servidores baseados em uma arquitetura de 64 Bits devem estar disponíveis comercialmente em grandes volumes por volta de 2014 ou 2015.
 
 
 
 
Fonte: IdgNow

 
Indique esta notícia Indique esta notícia para um amigo

Início Notícias  | Voltar