Página Inicial



twitter

Facebook

  Dicas
|

TECNOLOGIA EM CDROM

Antonio Vilhena - 18/04/2001

Como vez por outra surgem algumas dúvidas sobre a tecnologia envolvida no funcionamento de alguns componentes de computador bem como uma melhor explicação das especificações apresentadas pelos fabricantes, nós no BoaDica resolvemos fazer algumas matérias para poder auxiliar a todos e aumentar seus conhecimentos gerais e compreender melhor seu micro, e as especificações de seus componentes.

Como os dados são gravados e lidos:
Os dados são gravados da mesma maneira em TODOS os CDs. A informação é gravada seqüencialmente em setores de 2KB, que formam uma espiral única que inicia no centro do disco e caminha circularmente em espiral até a borda do disco. Apesar de o layout da faixa ser essencialmente a mesma para todos os discos, o dado é lido de um CD de uma das duas formas a seguir, dependendo do tipo de leitor de CD utilizado:

Velocidade Linear Constante:
A especificação original do CD de áudio, definia que o leitor deveria transferir os dados a uma taxa constante para o play-back de áudio. Devido ao fato de haver mais setores de 2K na parte mais externa do CD do que na área mais próxima do centro, isto requer que o leitor de CD varie sue velocidade rotacional para conseguir uma transferência de dados constante. Este método é referido como Velocidade Linear Constante (Constant Linear Velocity, ou CLV). Com a tecnologia CLV, os dados são lidos a uma velocidade linear constante, porém o leitor deverá girar mais rápido quando estiver lendo dados das partes mais internas do disco, de forma a manter a taxa de transferência constante. Todos os leitores de CD apenas de áudio, e a maioria dos drives de CDROM até velocidade 12x usavam a tecnologia CLV.

Velocidade Angular Constante:
Para permitir transferências de dados a maiores velocidades e temos de acesso menores, os fabricantes de leitores de CD desenvolveram a técnica de Velocidade Constante Angular (Constant Angular Velocity ou CAV). Com a tecnologia CAV, id dados são transferidos a uma taxa variável, enquanto o disco gira a uma taxa constante. Devido ao fato do disco girar a uma velocidade constante e os dados serem transferidos a uma taxa variável, a designação de velocidade "X" varia dependendo se o leitor está lendo na seção interna ou externa do disco. Por exemplo, um leitor de CD com tecnologia CAV pode variar sua taxa de transferência de 14X até 32X com uma taxa de transferência "média" de aproximadamente 24X. Esta taxa de transferência média é calculada com um CD completo. A vantagem de leitores com tecnologia CAV, é devido a conseguir taxas de transferência maiores, enquanto mantêm velocidades rotacionais menores, que por conseqüência requerem menos energia a reduzem vibrações. Com a tecnologia CAV, facilitou também o acesso a banco de dados em CD, uma vez que o drive não necessita aumentar e diminuir a velocidade constantemente para acessar dados em diferentes partes do disco. Atualmente praticamente todos os fabricantes de leitores de CDROM utilizam a tecnologia CAV.

O que significa o X na velocidade do CDROM?
Para os que estão se aventurando na informática há pouco tempo, talvez não tenham ainda tido oportunidade de descobrir o que significa a designação X na especificação de um CD (12X, 16X, 40X, 52X, 56X, ...). A velocidade do CDROM é calculada a partir de um ponto de partida: a velocidade de transferência de um CD de áudio que foi a especificação original do CD. A velocidade de transferência de um CD de áudio é de aproximadamente 150 KBps (Kilobytes por segundo), assim sendo, a designação X na especificação de velocidade do CD define quantas vezes ele é mais rápido que esta definição original. Exemplo: um CD 12X transfere dados a uma velocidade 12 vezes maior que o CD de áudio, ou seja, 12 x 150 KBps = 1800 Kbps. Não se esqueça que nos CDs de tecnologia CAV, este fator X é variável, portanto, a taxa de transferência é variável também.

 
Indique esta dica Indique esta dica para um amigo

VOLTAR