Página Inicial



twitter

Facebook

  Dicas
|

CONHEÇA O SISTEMA BEOS

Rafael Moraes - 09/10/2004

Nosso colega Rafael Moraes lá no Fórum do BoaDica, trouxe uma novidade para a galera na área de sistemas operacionais: o BeOS. Baixou (é gratuito), testou, e escreveu este artigo para todos verem esta novidade super interessante! Aproveitem e quem quiser conversar a respeito, é só dar um pulo lá no Fórum!


Diante de todo esse monopólio por parte da Microsoft, no que diz respeito ao Sistema Operacional dos PCs, muitos de nós só possuímos conhecimento de 2 deles: O windows e seu principal concorrente, o Linux.

Mas existem outros, e o que vamos falar aqui, é exatamente outro "concorrente" da Microsoft: BeOS.

O que é o BeOS?

O BeOS é um sistema operacional desenvolvido pela Be Inc. e foi criado com foco em multimídia. Ao contrario dos SOs mais antigos, o BeOS foi escrito desde o principio com a performance em mente e com tecnologias realmente inovadoras. Entre essas tecnologias podemos citar SMP (uso de mais de um processador quando disponível), multithreading, sistema de arquivos de 64 bits e jornalado e arquitetura cliente-servidor.

O BeOS consegue extrair performances inacreditáveis de computadores comuns como os PCs e PowerPCs (Mac), permitindo uma grande economia no investimento em equipamentos. Essa diferença começa a ser notada desde o boot do sistema, já que todo o processo de boot do BeOS demora algo em torno de 12 segundos.

Principais características do BeOS

  • Multitarefa Preemptiva - O BeOS é um sistema operacional que foi projetado para dividir a aplicação em vários threads mesmo que o programador não tenha projetado assim. Isso aumenta a eficiência e a performance das aplicações. Na multitarefa preemptiva, o compartilhamento da CPU é gerenciado por um componente do sistema operacional chamado scheduler , que atribui tempo de CPU para as várias tarefas baseadas em um conjunto de heurísticas. Desse modo, nem o programador nem o usuário necessitam conhecer os detalhes.

  • Projetado para mídias em tempo-real - A arquitetura do BeOS é otimizada para trabalhar com tempo-real, áudio e vídeo. O tempo de resposta do kernel é de cerca de 1 microssegundo e de 5 microssegundos para a mídia.

  • Sistema de arquivo jornalado - Para evitar sobrecarga no sistema, sistemas operacionais não atualizam pequenas transações para o disco imediatamente. Ao invés disso, mudanças são armazenadas em memória por um tempo, sendo enviadas para o HD usualmente quando o sistema está livre. BeOS usa uma sistema de jornal para manter todas as transações registradas. Uma vez que o jornal é atualizado em tempo real, se o sistema for desligado incorretamente ou travar, todos os dados são recuperados do jornal, resultando em um boot tão; rápido quanto um boot normal. Ao contrário da FAT32, o sistema de arquivo usado no Windows 98, que não pode armazenar arquivos maiores que 4 Gb, O BeOS usa um esquema de endereçamento de 64-bit no Be Filesystem (BFS) , assim o tamanho máximo de um arquivo atinge aproximadamente 18.000 petabytes.

  • Multithread Generalizado - No BeOS o processador não se torna mais rápido que em outros sistemas operacionais, mas as aplicações ficam mais sensíveis, uma vez que elas recebem mais atenção do processador todo o tempo. O conjunto de instruções não é executado seqüencialmente como outros sistemas fazem, e sim em paralelo.

  • Acesso direto - O BeOS, ao contrário de outros sistemas, envia informações de vídeo diretamente para a placa gráfica e então para o monitor. Assim deixa de existir sobrecarga no sistema e a taxa de quadros aumenta usando o mesmo hardware. O processo de enviar dados diretamente para o coração da placa de vídeo é chamado DMA, Direct Memory Access.

  • Carga dinâmica de drivers - Em muitos sistemas ainda é necessário reiniciar a máquina toda vez que você faz uma alteração na configuração atual. Isso pode ser confirmado no Windows sempre que você fizer uma alteração na configuração de rede. Já no BeOS isso não acontece, pois o sistema pode ler novos drives em tempo de execução sem necessidade de reboot.

  • Memória protegida - Um dos aspectos mais críticos para a estabilidade de um sistema operacional é a proteção de memória. Esse recurso controla o espaço de memória evitando as colisões. Como resultado, aplicações podem travar que o sistema e as outras aplicações continuam rodando perfeitamente.

Essas características foram tiradas do site http://www.bug-br.org.br, existem mais, mas tirei apenas as que achei mais importantes.

Entendendo as principais versões do BeOS:

  • BeOS R5 PE: A versão Personal Edition (gratuita). Horrível. É desatualizada, para ser instalado no windows, não da pra usar o BFS e nem NTFS. Recomendado apenas pra quem quiser conhecer o BeOS. Mas ainda assim, é recomendado experimentar o BeOSMAX.

  • BeOSMAX: Última versão do SO com o nome de BeOS. (gratuita)

  • XBEOX: Versão que roda de um CD. Torça para seu hardware ser compatível. Se der tudo certo, beleza, você nem precisa instalar e pode conhecê-lo melhor.

  • ZETA: Nova versão do BeOS, ainda em desenvolvimento. Produzida pela YellowTAB, que tinha um contrato com a Be inc, mas esse reincidiu e a Be Inc deu o fonte do BeOS pra eles por baixo do pano. (OBS: Este não é gratuito, mas possui um excelente custo/beneficio.).
    Mais informações: http://www.bug-br.org.br/artigos/ManifestoZetaBeOS.html

História do BeOS:

O BeOS surgiu em 1990. O BeOS foi criado por uma empresa chamada Be Inc. Quando o BeOS surgiu, a finalidade era trazer o multiprocessamento para o PC.

A Be teve sua parte intelectual comprada pela Palm em agosto/2001, patrocinada pela Micosoft e pela Apple, e finalizou suas atividades em dez/2001. E, mesmo após inúmeras tentativas das equipes BeUnited e BeFAQs para conseguirem licenciar o código do BeOS e continuar seu desenvolvimento, a Palm decidiu não continuar seu desenvolvimento. Depois disso, surgiram dois novos projetos relativos ao BeOS: OpenBeOS e BlueEyedOS, sendo que o primeiro tenta reproduzir o BeOS com código aberto e o segundo quer usar o kernel do Linux e implementar compatibilidade com os programas do BeOS.

Open BeOS (Haiku):

O Open BeOS é um projeto dedicado a reconstrução do BeOS à partir do zero. Ele foi criado por usuários, desenvolvedores e colaboradores entusiastas de BeOS ao redor do mundo. Existem neste momento várias equipes trabalhando para conseguir reproduzir todo o poderoso BeOS R5, mas com um grande diferencial: seu código fonte é aberto.

O projeto iniciou-se apenas alguns dias após o anúncio da compra do BeOS (bem como toda sua propriedade intelectual), pela Palm. No intuito de manter vivo o BeOS e evitar que ele seja absorvido e esquecido pela Palm, vários desenvolvedores voluntariamente começaram a reescrever o BeOS, dessa forma, implementando uma versão livre de qualquer vínculo corporativo, impedindo que seu destino seja decidido por homens que sentam atrás de mesas e não em frente ao computador. Pra saber mais: www.bug-br.org.br/beos/openbeos ou www.haiku-os.org/learn.php

Alguns sites importantes:

Screen Shots:

Detalhe do BeOSMAX rodando em um K6-2 333 com um editor de texto, navegador da internet, GinICQ (cliente do ICQ), dois filmes, duas MP3, e o menu aberto com um lista de programas. A maioria desses programas já vem instalado no BeOSMAX.

BeOS rodando com 8 processadores. E muitos filmes!!


Colocamos este tutorial aqui na área de dicas, de forma a facilitar o acesso por todos, além de utilizarmos mais recursos para visualização. No caso de dúvidas ou para conversar a respeito do assunto, não deixe de dar uma passada no Fórum do BoaDica: http://www.forumboadica.com.br.

Vamos aproveitar para divulgar este incrível sistema e trocar idéias e experiências lá no Fórum do BoaDica!

 
Indique esta dica Indique esta dica para um amigo

VOLTAR