Página Inicial



twitter

Facebook

  Dicas
|

DICAS DE VENTILAÇÃO

gponto - 05/12/2002

Bom pessoal, como vocês sabem, procuramos incentivar quem participa aqui no site a divulgar artigos, opiniões, matérias etc. Para tal, colocamos disponível o Fórum aqui no site (http://www.forumboadica.com.br), que tem uma visitação espetacular, com um altíssimo nível (tanto nas perguntas e respostas como nas conversas/debates) e vez por outra estaremos separando algumas postagens para colocar aqui na área de dicas, pois desta forma tanto iremos contribuir para divulgar o conhecimento para os que não acessam o Fórum ou preferem acessar a informação num formato de artigo.

Qualquer dúvida sobre o assunto, ou apenas querendo dar continuidade ao debate, é só dar um pulo lá no Fórum!

Nosso especial agradecimento ao colega gponto (Guilherme R Basilio) por estas e outras tantas postagens de tão alto nível!


Postagem em: Cooler/Aquecimento/Temperatura - Autor: gponto

Acho que existe uma confusão por aqui. Coisas da tradução. Só pra facilitar, vamos acertar o nome das coisas. Podem chamar diferente em outros lugares, mas aqui nesta dica:

  • dissipador passivo: peça de metal para facilitar a dissipação do calor.
  • dissipador ativo: dissipador passivo com uma ventoinha acoplada para acelerar o processo.
  • ventoinha: pode ser para insuflar (empurrar o ar fresco de fora pra dentro) ou para exaustão (empurrar o ar quente pra fora).

Esquemas:

1. Processador - requer um dissipador ativo, i.e., aquela peça de metal parecida com um pente que tem uma ventoinha em cima.

Minha recomendação é comprar um que seja pelo menos dois "pontos" acima do necessário para o processador: não vale a pena economizar 20 ou 30 reais e colocar em risco um componente de 500 pratas pra cima.

Pior ainda, os mais novos têm controle de temperatura: processador antigo queimava; processador moderno diminui e/ou desliga. Aliás, esta é uma das enormes diferenças entre o Intel P4 (fama de fresquinho) e o AMD Athlon (fama de esquentado).

É verdade: o P4 esquenta menos. Também é verdade, como diria vovó: tem carne por baixo desse angu.

Ninguém faz mágica com refrigeração e dissipação de calor. xMHz vão produzir praticamente a mesma quantidade de calor num Athlon ou num P4. Qual a diferença, então? O sistema de controle do superaquecimento:

  • o Athlon esquenta, esquenta, esquenta e, atingido o limite, pára. Ponto final.
  • o P4, à medida que vai esquentando, entra num processo de, digamos assim, "UNDERclocking" automático: vai reduzindo a velocidade do clock e, conseqüentemente, mantendo a temperatura baixa. O preço da temperatura baixa do P4 é ele continuar rodando... sem travar, mas cada vez mais e mais devagar... simples assim.

Se começar a passar do limite, o Athlon trava e pronto. Já o seu maravilhoso P4 2.1 vai operar a 1.5, a 1.0, a 500 até estabilizar. Se o cooler não segura a ondade operar a 2.1, o P4 vai acabar se estabilizando a 1.5 ou 1.0. Você pagou por um 2.1 que funciona, fresquinho, é verdade, a 1.0... por causa da economia porca de 20 pratas.

Em resumo: qualquer que seja o seu processador, para ter um desempenho decente, vento em cima dele.

2. Chipset - depende do modelo; pode não precisar de nada, pode precisar apenas de um passivo ou, nas placas mãe mais potentes, um dissipador ativo. Recomendação: não mexer no que veio de fábrica.

3. Memória - a rigor, não precisa de nada, mas melhora com o kit passivo (umas latinhas que ninguém da nada por elas coladas com fita térmica nos pentes de memória) e melhora MUITO com o kit ativo (as latinhas com uma ventoinhazinha soprando por cima) -- ambos, ativo e passivo, da Thermaltake.

4. Placa de vídeo - comporta de nada até dissipadores passivos para as memórias e ativo para o chip. GEForce 2 = passivo no chip; GEForce 4 = ativo no chip (as memórias pegam a "sobra" do ventinho). Na minha placa (GEForce 2), coloquei passivo nas memórias e ativo no chip -- a diferença de performance é BRUTAL! Nunca mais tive travamento de vídeo, a rapidez aumentou pracarambew, essas coisas..

5. Gabinete - até aqui, a gente só fez tirar o calor gerado pelos componentes e jogá-lo dentro do gabinete. Resultado: em poucos minutos, todo o nosso sofisticadíssimo sistema de refrigeração vai estar funcionando... dentro de um forno a 65 graus ou mais... ou seja, se a gente não providenciar uma boa circulação de ar dentro do gabinete, não adianta nada.

Aí, entram em cena duas soluções:

5.1 Gabinete aberto. Simplesmente, tire as tampas e deixe o ar circular. Em dias muito quentes, coloque um ventilador desses domésticos soprando em cima, em velocidade máxima. Desvantagem: mais barulho no ambiente e mais poeira nos componentes. Vantagem: é o mais eficiente; em dias de verão muito quentes, se você não tem ar condicionado é a única saída.

5.2 Aberturas no gabinete e ventoinhas: empurrar ar frio para dentro e fazer a exaustão do ar quente para fora. Há duas regras simples:

  • como o ar quente sobe, devemos insuflar por baixo e fazer a exaustão por cima do gabinete (pra que nadar contra a corrente?)
  • como o operador está na frente, é recomendável que a exaustão seja por trás -- imagine usar o micro com um treco soprando ar a 60 graus na sua perna

Ou seja, entradas de ar embaixo, na frente; saídas em cima, atrás.

Eu uso:

  • para entrada de ar, a ventoinha do gabinete (na frente, embaixo) e uma ventoinha grande, 11cm de diâmetro, na lateral: abri um furo e cobri com uma tela de som de carro (solução barata e bem legalzinha). Pra ficar embaixo da mesa, está ótimo.
  • para exaustão - a fonte, a ventoinha na traseira do gabinete, mais ou menos no meio, e uma ventoinha de alta potência no alto do gabinete (outro furo).

Todas as minhas entradas de ar são "filtradas" (pode usar um "perfex" ou aquelas mantas de fibra de exaustor de cozinha ou ar condicionado). Dá algum trabalho pra limpar os filtros (uma ou duas vezes por mês), mas, além de reduzir o barulho, se eu quisesse poeira juntando dentro da máquina, não ia me aporrinhar tanto com ventoinhas: tirava a tampa do gabinete e pronto.

Outras dicas:

  • arrumar direitinho e prender os fios internos: quanto menos "maçaroca" melhor a circulação do ar.
  • os cabos redondos, que agora existem para Floppy e HD (http://www.roriz.com.br/), custam caro mas melhoram MUITO a circulação de ar... por mais que a gente arrume com carinho, os benditos cabos "flat" atravancam um bocado.
  • aquelas laterais de acrílico transparente que tem aparecido com os gabinetes mais novos podem ser lindas, mas retêm muito mais calor do que o metal.

Abçs.
g.


É isto aí pessoal. Vocês encontrarão estas e outras postagens lá no Fórum! Não deixe de dar uma passada por lá!

 
Indique esta dica Indique esta dica para um amigo

VOLTAR