Página Inicial



twitter

Facebook

  Dicas
|

COMPRANDO SEU SCANNER

Antonio Vilhena - 16/01/2002

Do final de 1999 e durante todo o ano de 2000 e 2001, alguns itens de informática tiveram seus preços drasticamente reduzidos, permitindo que mais gente tivesse acesso a componentes antes só disponíveis para profissionais, ou através do dispêndio de muito dinheiro. Um destes componentes que passaram a ser bem acessíveis foi o Scanner, que na época custavam cerca US$ 1000 e hoje em dia são encontrados a partir de R$150 / R$200 (menos de US$ 100).

Vários fatores foram determinantes para esta queda de preços, e para o scanner a grande mudança foi a tecnologia de captura de imagem que passou a ser totalmente digital.

Ao comprar seu scanner, você deverá então comparar alguns itens de forma a fazer a melhor escolha. Veremos aqui algumas informações sobre Interfaces, Fonte de alimentação, Resolução, Quantidade de cores, Tamanho da área de captura, Tecnologia, Velocidade, Software, Scanners especiais.

Interfaces:

Scanners podem ser encontrados utilizando diversos tipos de interface para conexão ao computador, onde as comuns são Paralela, USB, SCSI. Existem ainda, porém não muito comumente encontrado aqui no Brasil, aparelhos que usam interface Serial ou Firewire. Quando for fazer sua escolha de scanner para compra, veja antes que interface ele utiliza, se seu computador possui esta interface (por exemplo computadores mais antigos não possuem USB, muitos poucos computadores possuem interface SCSI sendo necessário a compra de uma placa adicional para isto), se seu sistema operacional suporta a interface (por exemplo Windows 3.x e 95A não suporta USB sendo necessário a instalação de suporte adicional).

Outro fator importante também é a velocidade de transmissão de dados de cada interface:

Serial Paralela USB SCSI Firewire
Velocidade 115 Kbps 2 Mbps 1.5 a 12 Mbps 5 a 160 MBps 100 a 400 mbps

Por fim vale também avaliar a capacidade de conexão de cada tipo de interface:
Serial: não possui cascateamento, utiliza uma das 2 conexões seriais disponíveis normalmente em um micro, ocupa uma IRQ (interrupção)
Paralela: não possui cascateamento normalmente, porém pode ser feito através de algum dispositivo próprio, mas com alto risco de conflito entre os dispositivos, ocupa uma IRQ (interrupção)
USB: permite cascateamento no barramento
SCSI: permite cascateamento no barramento
Firewire: permite cascateamento no barramento

Fonte de alimentação:

Este fator só é realmente importante quando temos que por exemplo pensar em um ambiente de fácil transporte/mudança de local de trabalho e rápida implementação para operação, como por exemplo em estações de trabalho baseadas em Notebooks. Nesta situação praticamente temos somente 2 opções: alguns equipamentos USB e alguns Firewire alimentados diretamente do barramento.

Não esqueça também de ver o consumo de força do equipamento (expresso em W ou Watts). Em tempos de racionamento e de consumo inteligente de energia, é bom lembrar que quanto maior o consumo, mais você estará gastando na sua conta de luz.

Resolução:

A resolução de um scanner é medida por dpi que significa dots per inch (pontos por polegada), ou seja, quantos pontos são identificáveis/capturados em uma polegada. Quanto maior o dpi, mais preciso na captura será o scanner.

O problema em comparar scanners pelo dpi, é que existem variações do tipo se a resolução é por interpolação (por software) ou ótica (por hardware). Os valores por interpolação sempre são maiores, pois a imagem é artificialmente detalhada.

As resoluções mais comuns encontradas são: 300 x 600, 600 x 1200, 1200 x 1200, 1200 x 2400 dpi, ou então expressa como interpolada (4800, 9600, 19200, 24000, 36000, 48000)  

Quantidade de cores:

Medida em bits, ou seja, a quantidade de bits que definem uma cor: 16 bits, 32 bits, 36 bits, 42 bits, 48 bits. Quanto maior a quantidade de bits para definição de cores, mais cores diferentes o equipamento será capaz de identificar.

Tamanho da área de captura:

Vamos nos concentrar no que é chamado scanner de mesa, ou seja, não portáteis, e neste ponto é importante saber qual a área física do papel que ele é capaz de scannear. Se você pretende utilizar o equipamento para capturar imagens de documentos que se encontram por exemplo em formato Ofício e você tem um scanner que só comporta até um máximo de tamanho A4, terá que fazer a captura do documento desejado (em tamanho ofício) em 2 passagens, e depois através de um programa de tratamento de imagem fazer a junção das imagens.

Os scanners mais comuns são capazes de capturar imagens de uma superfície de tamanho de uma folha A4 (297 x 210 mm) ou carta (8,5 x 11 polegadas), porém também são encontrados equipamentos, mais caros, capazes de capturar folhas tamanho ofício (8,5 x 14 polegadas).

Tecnologia para captura de imagem:

Atualmente são mais encontrados 2 padrões de tecnologia: CCD (charge coupled device) ou CIS (Contact Image Sensor). Basicamente CCD é a captura através de dispositivo ótico como as copiadoras, e CIS é através de elementos digitais, por led, como as câmeras digitais. Os scanners no padrão CCD são maiores, mais pesados, mais sensíveis, e os de padrão CIS são mais finos, leves e poucos elementos móveis. Em termos de qualidade normalmente os scanners que utilizam tecnologia CCD apresentam melhor qualidade de captura do que os que utilizam tecnlogia CIS, porém são equipamentos mais pesados, maiores, mais caros e mais sensíveis.

Tecnologia CCD Tecnologia CIS

Velocidade de captura de imagem

Outro fator importante a ser comparado, porém nem sempre divulgado, é a velocidade de captura do scanner. Isto é especialmente importante se a utilização do scanner será para captura de grande quantidade de documentos/imagens. Quanto menor o tempo, melhor. A velocidade de captura varia também conforme a quantidade de cores. Quanto mais cores houver na imagem, mais lenta será a captura. Um bom valor para velocidade é de em torno de 20 segundos para imagens preto e branco e 60 segundos para coloridas.

Software incluído:

Normalmente junto com o equipamento é fornecido algum tipo de programa, sendo comum virem acompanhados de um programa para tratamento de Imagem e um programa para OCR (reconhecimento de escrita - que transforma um texto capturado em texto por exemplo a ser inserido no seu processador de texto). Verifique que programas acompanham seu equipamento, o que fazem e do que são capazes de ajudar.

Scanners Especiais:

Estes itens acima são alguns dos fatores a serem comparados quando for selecionar um scanner para comprar. Afora isto, existem no mercado equipamentos especiais para finalidades especiais, como por exemplo:
- Scanners de negativos de filmes
- Scanners que aceitam alimentador automático de documentos (tipo copiadoras)
- Scanners de grandes áreas para por exemplo captura de plantas de arquitetura e engenharia
- etc.
Geralmente são scanners com preço elevado, e de difícil disponibilidade no mercado comum de informática, só sendo encontrado em revendas especializadas.

 
Indique esta dica Indique esta dica para um amigo

VOLTAR